Mais um show de Messi

Pouco vi o jogo de Nova Jersey. A concorrência da Euro me fez acompanhar Brasil x Argentina somente após o primeiro e o segundo tempos de Alemanha x Portugal. Nestes breves períodos, a única coisa que vi foram os três gols de Lionel Messi.

Mas o Brasil, dizem todos, e o resultado é prova, fez um bom enfrentamento. A seleção olímpica não é muito diferente da principal, já que Mano Menezes tenta promover uma renovação. Mas, ainda assim, não é o time completo, e enfrentou uma das melhores equipes do mundo de igual para igual. Talvez, coletivamente, tenha sido até superior. Mas o craque estava do outro lado.

Messi fecha a temporada com 9 gols em 9 jogos pela Argentina, um por jogo de média. Vai caindo, aos poucos, o penúltimo argumento de quem o diminui: o de ir mal pela seleção. Hoje, fez um hat-trick com direito a gol histórico no fim do jogo, decidindo a partida em favor dos argentinos. Nas Eliminatórias, já vem sendo o principal jogador da equipe e destruindo nos últimos jogos. Em 67 partidas no ano, marcou 82 gols. Em breve, somente o fato de não ter ganhado uma Copa do Mundo poderá ser alegado.

Campeonato Brasileiro
Dois jogos ocorreram neste sábado, abrindo a quarta rodada. No Engenhão, o Flamengo manteve a invencibilidade, mas isso significa pouco mais do que dar uma respirada. Os 3 a 1 sobre o Coritiba foram a primeira vitória rubro-negra na competição. Respiro que o Palmeiras não pôde dar. Levou 1 a 0 do Atlético/MG, gol de Jô, na estreia de Ronaldinho. O Galo segue muito bem e lidera, ao menos até amanhã. O Verdão chega destruído para o mata-mata com o Grêmio. Felipão gosta de ser zebra, mas desta vez parece exagerar na dose.

Série B
Surpreendente derrota do Atlético/PR (10º, 6): 2 a 0 para o CRB (11º, 6), em Maceió. O grande vencedor do sábado foi o Criciúma (3º, 12), que enfiou 3 a 0 no irregular Goiás (9º, 7). Em cinco rodadas, América/MG (13), América/RN (13), Criciúma (12) e Vitória (10) são os quatro melhores. O Furacão, vale lembrar, tem um jogo a menos.


Comentários

Luiz Paulo Telo disse…
É Pato, é Damião, é Giuliano, é Oscar, Juan, Sandro... uma hora ninguém vai se dar conta e a dupla de zaga do Brasil vai ser Bolivar e Índio. hehehe

Agora, falando sério. Mano achou o time, ou grande parte dele. Não tem desculpa para não apostar nessa base. Variando três ou quatro jogadores, talvez. Seja no time olímpico ou principal.

E uma mudança que notei no jogo de hoje. O Brasil não fez um 4-2-3-1 à risca. Pra mim ficou bem claro um 4-4-2, com Hulk na esquerda, Oscar na direita e Neymar como segundo atacante, junto à Damião.
Vicente Fonseca disse…
Legal tua leitura, Luiz. Me ajuda a entender o Brasil, já que vi apenas parte do jogo.

Sobre os colorados, maravilhosa combinação de Damião e Oscar no segundo gol brasileiro. E vacilada incomum de Sandro no primeiro gol argentino.