América no horizonte

Lúcio e Jonathan disputam bola no grande jogo do Olímpico

O Grêmio deu hoje uma demonstração de força. Venceu, acima de tudo, um grande time de futebol, possivelmente (e é minha aposta desde o início do certame) o campeão nacional. Conseguiu virar uma partida equilibrada e extremamente difícil porque mostrou, além de um time bem organizado, um banco de reservas de eficiente. Júnior Viçosa e Gílson, dois reservas (embora Gílson não devesse sê-lo), foram fundamentais na construção do resultado. Foi uma vitória do grupo também.

A partida foi quase sempre equilibrada, com momentos de domínio para um lado ou outro, alternados. Nos primeiros minutos, a marcação de ambas as equipes encaixou. Fábio Rochemback controlava Montillo na imposição física, Paulão anulou Wellington Paulista o jogo todo; mas Jonas era isolado pela defesa mineira, bem como a alternativa de Gabriel pela direita. A exceção, por parte do Grêmio, era Douglas, que se desmarcava fácil e fez mais uma grande partida, com rara visão de jogo. O gol de Viçosa iniciou-se num passe genial dele para Jonas.

Até que o Cruzeiro descobriu a mina de ouro, a mesma pela qual Kleber passeou na semifinal de 2009: Fábio Santos. Desta vez, foi Thiago Ribeiro quem fez a festa por ali. Como um autêntico ponteiro, levou pânico à zaga sempre que passava pelo lateral. A partir do gol de Montillo, primeiro lance em que ele se desmarcou, a avenida ficou ainda maior. O argentino, aliás, entrou no jogo a partir dali. Um jogador simplesmente impressionante: lança, dribla, conduz, chuta a gol, tudo com rara precisão. É o craque deste Brasileirão, acima de Conca, Jonas ou qualquer outro.

Renato foi premiado com o gol de Júnior Viçosa no último lance do primeiro tempo, enlouquecendo o Olímpico. E mexeu bem: retirou Fábio Santos em favor de Gílson. Não só Thiago Ribeiro parou de incomodar, como foi obrigado a recuar para marcá-lo, pois suas tabelas com Lúcio são realmente perigosas. E aí, brilhou a estrela do técnico gremista, que viu Gílson sofrer o pênalti justamente de Thiago Ribeiro. Somente após o gol, com as subidas de Jonathan, é o que time mineiro voltou a incomodar por aquele lado, mas a defesa mostrou-se segura.

Foi uma grande vitória do Grêmio, o que não significa que esteja tudo perfeito. Rochemback começou muito bem, mas cansou e Montillo quase o enlouqueceu no segundo tempo. Vilson tem ido bem no meio, assim como Paulão na zaga, mas o correto é a volta de Adilson à segunda função. É um jogador mais rápido que Vilson, e teria ajudado mais a conter o rápido meia argentino. De resto, além de Douglas, cabe destacar o bom jogo de Júnior Viçosa, que não sentiu o peso da camisa. Fez um gol de centroavante (embora não seja), cavou faltas, mostrou velocidade. Parece promissor.

A Libertadores está a quatro pontos, caso a mira seja o Corinthians. Muito possível, se avaliarmos o momento dos dois times e estando a oito jogos do fim. Caso o G-3 volte a ser G-4, amanhã, mais que possível, a Libertadores fica muito provável. Afinal, o Grêmio passou hoje por um grande teste – e mostrou, não fosse o desastroso primeiro turno, que tinha, sim, condições de inclusive estar lutando pelo título.

Em tempo:
- Sempre polêmico, Paulo César Oliveira parece ter ido bem. O gol de Jonas foi bem anulado, assim como a invasão no pênalti foi bem notada. O gol anulado do Cruzeiro é lance duvidoso. E Thiago Ribeiro fez mesmo pênalti em Gílson.

Campeonato Brasileiro 2010 – 30ª rodada
17/outubro/2010
GRÊMIO 2 x CRUZEIRO 1
Local: Olímpico Monumental, Porto Alegre (RS)
Árbitro: Paulo César Oliveira (SP)
Público: 41.435
Renda: R$ 914.890,50
Gols: Montillo 28 e Júnior Viçosa 48 do 1º; Jonas (pênalti) 29 do 2º
Cartão amarelo: Fábio Santos, Douglas, Ferdinando, Montillo, Marquinhos Paraná, Fabrício e Léo
GRÊMIO: Victor (5,5), Gabriel (5), Paulão (7), Rafael Marques (6) e Fábio Santos (4) (Gílson, intervalo – 6,5); Fábio Rochemback (5,5), Vilson (6), Lúcio (7) e Douglas (7); Jonas (6) (Diego Clementino, 38 do 2º - sem nota) e Júnior Viçosa (6,5) (Ferdinando, 45 do 2º - sem nota). Técnico: Renato Portaluppi (7)
CRUZEIRO: Fábio (6), Jonathan (6,5), Léo (6), Edcarlos (6) e Pablo (5) (Gilberto, 15 do 2º - 6); Marquinhos Paraná (5,5) (Roger, 41 do 2º - sem nota), Fabrício (6), Henrique (6) e Montillo (7,5); Thiago Ribeiro (6) (Farías, 34 do 2º - 5,5) e Wellington Paulista (4,5). Técnico: Cuca (6)

Foto: Lucas Uebel/Vipcomm.

Comentários

Lique disse…
montillo é perigosíssimo, tem uma passada impressionante, quando resolve arrancar, é difícil de segurar.

paulão>>>VIDA. muito bem por cima, bem por baixo, imposição física, boas afastadas, o herói do jogo.

junior viçosa foi ok, não dá pra reclamar quando um guri estreia com gol. mas pareceu bem nervoso.

achei o gol do wellington paulista muito mal anulado. UFA. não suporto esse cara.
Vicente Fonseca disse…
Muito mal anulado eu não digo, porque foi um lance muito rápido e difícil. Não cravo nada nessa.

Paulão hoje lembrou Marinho. Bom, SEMPRE lembra, na verdade. dshshsd
Lique disse…
é verdade, MUITO não, mas achei que não havia impedimento. mas lance difícil, sim.
Vicente Fonseca disse…
No estádio, achei impedimento claro. Na TV, fica muito duvidoso. Até porque não vi uma câmera que mostrasse direito o momento do passe.

Mas tudo bem, desconta aquele mal anulado do André Lima na Sul-Americana. :)
Marcus disse…
Parabéns Vicente, muito boa análise, ótimo blog.

Vale um destaque para torcida, um show. Só não consigo entender "má vontade" vários torcedor com o Fábio Rochemback e com o Douglas, joga muito.

Um abraço,

Marcus Staffen
Vicente Fonseca disse…
Marcus Staffen, grande presença, excelente jogador de truco.

Excelente público mesmo. Finalmente um domingo de futebol no Olímpico. Eu já sentia saudades.

Valeu pelos elogios, meu caro. Grande abraço!
Mário disse…
Grande jogo e vitória. Apenas uma ausência de leitura do Renato me incomodou: no momento em que o Gilberto entrou para a saída do lateral-esquerdo, o Cruzeiro ficou sem lateral (Gilberto entrou fazendo uma meia-esquerda, quase ponta). Era o momento de colocar alguém caindo direto pelo lado direito em velocidade (que orientasse o Viçosa ou colocasse o Diego), já que o Jonas fica pelo lado esquerdo do ataque e o Viçosa centraliza. A única em que o Viçosa caiu por ali foi uma baita arancada onde ele cruzou pro Diego ao invés de chutar sozinho na frente do goleiro.

Mas, enfim, importante a vitória, Renato monstro.
Luiz Paulo Telo disse…
Vitória destacadíssima. Muito importante um time mostrar poder de reação.

Paulão foi o nome do jogo. O Montillo só não foi porque faltou companhia, graças também a partida de entrega total do Thiago Ribeiro, que marcou muito tanto F.Santos e Gilson, inclusive fazendo o pênalti no segundo.

Pra mim a principal dificuldade do Grêmio no jogo foi a sensível mudança tática, de 4-4-2 com meio em losango para um 4-4-2 com meio em quadrado. Douglas saiu do centro e teve q jogar mais à direita, enquanto os dois volantes, Rochemback e Vilson, ficarm muito cetralizados e presos ao Montillo. Ficou um vão entre o Douglas e o Gabriel, que facilitou pro Henrique jogar.

Má chê! É isso aê... grande texto, meu velho!
Lique disse…
cantei a pedra do tite no timão, hein? ;)
André Kruse disse…
O Cruzeiro não ficou sem lateral esquerdo com a entrada do Gilberto.

O Marquinhos Paraná caiu por ali.
Vicente Fonseca disse…
Eu esperava que o Gilberto fosse o lateral esquerdo, mas de fato ele entrou de meia. O Marquinhos Paraná de fato passou a cair mais por ali, já vinha atuando como volante mais por aquele lado. Mas não foi um lateral de ofício, até porque a postura do Cruzeiro era de atacar mesmo. A falta de cobertura por aquele lado ficou mais evidente nos minutos finais, quando Viçosa levou pânico à zaga por ficar no mano a mano.

Luiz, muito obrigado pelos elogios, cara. Volte sempre aqui. Concordo com a tua leitura tática do jogo. Nosso propósito aqui são sempre discussões neste nível. Abraço!
Igor Natusch disse…
PVC leu mal o jogo, hein? Douglas não esteve sumido, Rochemback e Vilson não revezaram na marcação, Cruzeiro só foi superior ao Grêmio depois do gol de Montillo...
Vicente Fonseca disse…
Falou isso, é? Discordo bastante também...
Chico disse…
Num pulsante Monumental, o Imortal, sob a liderança do messias RENATO, o PORTALUPPI, conquistou uma grande vitória.

Os mineiros foram soterrados pela avalanche Tricolor!

Superclássico Grenal!
Vicente Fonseca disse…
Olhem isso:

http://lh6.ggpht.com/_UOchLkW4I1M/TLxyWFHh1KI/AAAAAAAAAHg/JLe4ycoTQpw/impedimento.jpg

Não quero reclamar da arbitragem nem diminuir as críticas dos que acharam que o Cruzeiro foi prejudicado ontem. É só pra ver o quanto é difícil julgar lances de impedimento, mesmo com câmera congelada e outros recursos.
Lique disse…
também achei bem duvidoso esse impedimento. acho que seria legal, por que não se pode fazer gol com o braço.